Terça-feira, 28 de Fevereiro de 2012

Há semanas que correm assim, como devem correr, com os dias e as horas direitinhas e os intervalos para almoço e para café, tudo no tempo e no espaço certo. Há semanas feitas de dias organizados, agendados, dissecados em minutos e objetivos, e nas/nos quais é possível chegar ao fim como se chega ao final de uma lista de compras: check, check, check.

E depois há outras. Aquelas em que decidimos trabalhar muito e fazer muitas coisas, e uma filha "decide" ficar doente e trocar as voltas às mães e aos pais e provar-nos (como se isso fosse preciso) que de agendas estão os escritórios cheios e que a vida é mesmo assim, imprevista, e que só nos cabe desenhar castelos no ar e esperar que, talvez por sorte, eles sejam parecidos com aquilo que temos à frente.

 

Na semana passada - pintada de medicamentos e de tosses e de choros pequeninos cheios de dores - dei por mim a perceber, na primeira pessoa, aquilo que Sherry Turkle descreve no seu (fantástico e muito fácil de ler e perceber) livro "Alone Together": que a tecnologia cria uma ilusão de presença, de conetividade, de termos sempre alguém ao nosso lado.

Não tenho aqui o livro comigo - ficou em casa, o que é sempre bom sinal ^-^ - mas sei que algures naquelas páginas ela fala da presença, do estarmos sempre ligados, e de como - por vezes - a simples lista de contactos IM basta para nos fazer sentir menos sós.

 

É idiota? Talvez. 

Mas na semana passada - cheia de medicamentos e de tosses e de coisas que felizmente já passaram - o meu telefone, com ligação à rede, deu-me uma sensação de "companhia" que de outra forma não poderia ter sentido. Sim, o facebook ajudou, ler mensagens e ver fotos facilitou a passagem do tempo. Mas, sobretudo, ajudou ver os meus amigos online: estavam ali, ainda que apenas fossem um nome com @ no meio.

Estavam ali. Eu não estava sozinha. Não completamente.

 

A Sherry diz coisas interessantíssimas, numa perspectiva um bocadinho "e agora, seremos ainda humanos ou cyborgs?", mas a verdade é que a tecnologia pode existir como barreira ao contato e às relações pessoais mas também pode servir para nos fazer sentir mais próximos uns dos outros. Mais presentes. À distância de dois cliques.

É ilusão, certo, e não é palpável. Mas os sentimentos também não... e nem por isso deixam de nos fazer sentir bem :)




Sobre mim
Agosto 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


Artigos recentes

Das férias

A vida à superfície

Saudades

Questão de investigação

Sobre o (meu) amor

Inquietudes

A história de dois Miguéi...

O que podemos aprender co...

Hoje que é dia do pai...

sobre aprender

Arquivo

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a idade pesa

a melhor coisa do mundo

acreditar

adeus :)

ambientes online

amigos

amor

ano novo

aprender

assim vale a pena

boyd

cetac

chuva

coisas minhas

coisas soltas

context

contexto

cv

d'a caixa

definir prioridades

dia do pai

domingo

doze

e andamos nós a criar uma filha para ist

ece1

ece11

educação

facebook

férias

festival da canção

futebol

gene kelly

homens da luta

identidade

identity

if/then

jonsi

leituras

livros

lurking

maio

mariana

metas

mmed

mundanças

música

networking

obvious

outono

palco

pele

percursos

phd

ple_sou

prensky

problemas

quarta-feira

quinta-feira

rede

reflexões

sapocampus

segunda-feira

servidor blogs.ca.ua.pt

sexta-feira

som

sono

sportv

stress deadlines going_nuts

tela em branco

televisão

tempo

terça-feira

tese

twitter

univercidade

todas as tags

links
participar

participe neste blog

find me on twitter:
http://qrcode.kaywa.com/img.php?s=6&d=http%3A%2F%2Ftwitter.com%2F%23%21%2Fmaresta
blogs SAPO
subscrever feeds