Sexta-feira, 6 de Maio de 2011

Há cerca de dez minutos, quando conversava com a Ibê sobre a vida em geral e a tese em particular, informei-a de que não iria ao Challenges este ano.

O Challenges é, para os alunos de MMEd, uma espécie de Fátima para os católicos: ano sim, ano não, a turma em peso ruma a Braga para defender um artigo e/ou apresentar um poster. Este ano, ao contrário do que é costume não farei parte da comitiva: a data da conferência coincide com o meu aniversário de casamento, o décimo.

Ao ler isto (a conversa foi via msn, as usual), responde ela: "Epa, dez anos é bué!!!". E, ao meu: "É, não é?", responde ela no seu tom habitual: "Yap, uma maratona!!"

E é mesmo. Um casamento - como qualquer relacionamento que se pretenda longo - não é um sprint, nem uma prova de meia dúzia de metros. É uma maratona, uma prova de resistência: se gastarmos toda a força no início, se não soubermos gerir o esforço, faltar-nos-á energia no final.

 

E isto - de pensar no casamento - fez-me pensar na tese, e em todos os projectos a longo prazo em que nos metemos ao longo da vida: normalmente, começamos com entusiasmo e força e garra, num estado de paixão e envolvimento que parece conseguir arrastar este mundo e o outro.

Nesta altura, "there's no mountain high enough, there's no river wide enough", e tudo parece simples e fácil de resolver. Depois, surgem os problemas pequenos que se tornam grandes, os grandes que se tornam enormes, os enormes que se tornam tragédias quase gregas. E, depois, vem a fase mais delicada e muitas vezes inultrapassável: a apatia. O "para quê, porquê?", o "isto não vale a pena", o "ai mãe". 

Esta é, sem dúvida, a pior fase. Aquela em que, se não tivermos força ou apoio, corremos o risco de nunca mais conseguir sair. O atoleiro. Um Emyn Muil, mas sem Gollum ou Smeagol que nos valha.

 

A experiência que tive no mestrado permitiu-me identificar esta fase, quando reapareceu agora no doutoramento. E, com a sabedoria da idade e da experiência, fiz como disse um senhor que escutei há muitos anos: parei, olhei e soube como continuar. 

Este senhor (com uma sabedoria e idade muito superiores à minha) disse um dia o seguinte: "quando eu era mais novo e me aparecia um saco de cimento no caminho, tentava por tudo pegar nele e empurrá-lo e tirá-lo do caminho. Agora, que sou mais velho, olho para o saco. E se vejo que é demasiado pesado e não vale o esforço, dou a volta e continuo em frente".

 

A tese (tal como o casamento e os compromissos a longo prazo) é uma maratona cheia de curvas, de altos e baixos e obstáculos, e há alturas em que nos aparecem sacos de cimento à frente.

Cabe-nos a nós, com a serenidade e experiência que nos dá a vida, sabermos se vale a pena empurrar o saco ou contorná-lo. Saber se o tempo que perdemos a olhar para aquele detalhe é tempo bem empregue ou se, na verdade, aquilo é apenas e só um pequeno contratempo. E, sobretudo, cabe-nos a nós conseguir encontrar o equilíbrio entre o entusiasmo e a paixão dos primeiros dias, as dores do tempo presente e a satisfação futura de termos conseguido construir algo importante.

 

E é isto. Bom fim-de-semana :).

 

 

(post dedicado à Ibê, que anda à nora com os questionários :P)


Arquivado em: , ,


1 comentário:
De Rui Aresta a 8 de Maio de 2011 às 10:42
Muito bom, mesmo! ;)


Comentar post

Sobre mim
Agosto 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


Artigos recentes

Das férias

A vida à superfície

Saudades

Questão de investigação

Sobre o (meu) amor

Inquietudes

A história de dois Miguéi...

O que podemos aprender co...

Hoje que é dia do pai...

sobre aprender

Arquivo

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a idade pesa

a melhor coisa do mundo

acreditar

adeus :)

ambientes online

amigos

amor

ano novo

aprender

assim vale a pena

boyd

cetac

chuva

coisas minhas

coisas soltas

context

contexto

cv

d'a caixa

definir prioridades

dia do pai

domingo

doze

e andamos nós a criar uma filha para ist

ece1

ece11

educação

facebook

férias

festival da canção

futebol

gene kelly

homens da luta

identidade

identity

if/then

jonsi

leituras

livros

lurking

maio

mariana

metas

mmed

mundanças

música

networking

obvious

outono

palco

pele

percursos

phd

ple_sou

prensky

problemas

quarta-feira

quinta-feira

rede

reflexões

sapocampus

segunda-feira

servidor blogs.ca.ua.pt

sexta-feira

som

sono

sportv

stress deadlines going_nuts

tela em branco

televisão

tempo

terça-feira

tese

twitter

univercidade

todas as tags

links
participar

participe neste blog

find me on twitter:
http://qrcode.kaywa.com/img.php?s=6&d=http%3A%2F%2Ftwitter.com%2F%23%21%2Fmaresta
blogs SAPO
subscrever feeds